Ultimas

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Caderneta de poupança tem maior fuga de recursos da história em 2015

Em 2015, R$ 53 bilhões saíram da tradicional modalidade de investimentos.
Ano passado foi marcado por alta de tributos, da inflação e do desemprego.
Imagem reprodução da web
Em um ano marcado pela forte crise econômica, com alta da inflação, dos juros, do desemprego e de vários tributos, as retiradas de recursos da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 53,56 bilhões em 2015, segundo números divulgados pelo Banco Central nesta quinta-feira (7).
Foi a primeira vez em dez anos que mais recursos saíram que entraram da caderneta, e a maior fuga de valores desse investimento desde o início da série histórica do BC, em 1995.
CAPTAÇÃO DA POUPANÇA
Depósitos menos retiradas, em bilhões de R$
0,677-0,91713,19-3,14-8,769-7,541-1,83910,63-10,4254,461-2,726,47233,37917,75530,41638,68214,18649,7271,04824,034-53,56819952000200520102015-50050100-100
Fonte: BC
Até então, o ano com maior saída de recursos havia sido 2003, quando R$ 10,42 bilhões deixaram a caderneta de poupança. Em 2013 e 2014, respectivamente, R$ 71 bilhões e R$ 24 bilhões haviam ingressado na modalidade.
Depósitos, saques e saldo da poupança
No ano passado, os depósitos em caderneta de poupança somaram R$ 1,90 trilhão, ao mesmo tempo em que os saques de recursos totalizaram R$ 1,96 trilhão. Já os rendimentos creditados nas contas dos poupadores somaram R$ 47,43 bilhões em 2015.
Com a forte saída de valores da poupança em 2015, o volume total de recursos aplicados na caderneta recuou. No fim do ano passado, o estoque de recursos na poupança totalizava R$ 656 bilhões, contra R$ 662 bilhões no fechamento de 2014. Foi a primeira queda anual do estoque de recursos aplicados na poupança desde o início da série histórica do BC, em 1995.
Menos recursos para a casa própria
A queda do volume de recursos aplicado na caderneta de poupança também está impactando os financiamentos imobiliários, uma vez que a modalidade é fonte de recursos para a casa própria.
Pelas regras, os bancos precisam destinar 65% dos saldos da poupança (SBPE) para o crédito imobiliário. No ano passado, ficou caro financiar a casa própria pela Caixa Econômica Federal, usando recursos da poupança. 

Em setembro, ocorreu a terceira alta das taxas em 2015.

Cenário econômico adverso
A evasão de recursos da poupança aconteceu em um ano caracterizado pelo baixo nível de atividade, com a economia brasileira em recessão. A expectativa do mercado é de que o PIB tenha registrado contração de 3,71% em 2015 - o que, se confirmado, será o maior tombo em 25 anos. O endividamento das famílias, por sua vez, continuou elevado.
Além disso, outros fatores também impactaram a renda dos brasileiros, como a alta da inflação, dos juros, do desemprego e de vários tributos, como aqueles sobre empréstimos, importados, carros, cosméticos, cerveja, vinhos, destilados, bancos, receitas financeiras das empresas, taxas de fiscalização de serviços públicos, gasolina e exportações de manufaturados, entre outros.
Baixo rendimento
Além disso, outro fator que contribuiu para a saída de recursos da poupança foi seu baixo rendimento frente a outras modalidades. Isso ocorre porque o rendimento dos fundos de renda fixa sobe junto com a Selic. Já o rendimento das cadernetas, quando a taxa de juros está acima de 8,5% ao ano, como atualmente, está limitado em 6,17% ao ano mais a variação da Taxa Referencial (TR).
Segundo cálculos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), com os juros básicos atualmente em 14,25% ao ano (o maior nível em nove anos), as aplicações em renda fixa, como os fundos de investimento, ganham mais atratividade e ganham da poupança na maioria das situações. A poupança continua atrativa somente para fundos com taxas de administração acima de 2,5% ao ano.
De acordo com cálculos do administrador de investimentos, Fabio Colombo, a caderneta de poupança registrou um rendimento de 8,07% em 2015, perdendo, assim, para a inflação. O índice oficial do ano passado (IPCA) ainda não saiu, mas a estimativa do mercado é de que tenha ficado em cerca de 10,7% ao ano. Em 2015, outros investimentos foram mais atrativos, como o dólar, que subiu 48,6%, o euro, com alta de 33,67%, o ouro (+33,63%), além de papéis indexados ao IPCA (+17,6%), os fundos DI (+13,17%) e os CDB´s (+12,88%).
Quando a poupança pode ser uma boa opção
Apesar do baixo rendimento, especialistas avaliam que a caderneta de poupança ainda pode ser uma boa opção, mas somente em poucos casos. Pode ser uma boa alternativa, por exemplo, para pequenos poupadores (com pouco dinheiro guardado), para pessoas que buscam aplicações de curto prazo (poucos meses) ou que procuram formar um "fundo de reserva" para emergências – uma vez que não há incidência do Imposto de Renda.
Nos fundos de investimento, ou até mesmo no Tesouro Direto (programa do governo de compra de títulos públicos pela internet) há cobrança do imposto de renda e, na maior parte dos casos, de taxa de administração. Nos fundos de investimento e no Tesouro Direto, o IR incide com alíquota regressiva, ou seja, quanto mais tempo os recursos ficarem aplicados, menor é o valor da alíquota incidente no resgate.
Sugestões para 2016
Em 2016, Fabio Colombo recomenda, para quem é conservador, títulos públicos, como a LFT (atrelada ao juro básico da economia), além de fundos DI e CDB´s pós fixados, além das LCIs e LCAs (isentas de IR para pessoa física).
"A bolsa de valores é para quem tem estomago e visão de longo prazo. Os preços estão muito convidativos. Para investimentos de 3 a 5 anos para frente, acho que é um excelenete investimento. Deve dar bem mais do que a renda fixa. Mas tem de ter estomago com as quedas de cruto prao. Recomendo procurar na instituição financeira um fundo que siga o Ibovespa ou IBX com taxa de administração abaixo de 2% ao ano", avaliou Colombo.
Para ele, o dólar já subiu bastante e, quem comprar agora como forma de investimento, estará especulando e assumindo um risco maior. "Quem tem dinheiro para diversificar e não quer ficar especulando pode colocar 10% a 20% em fundos cambiais, dólar e ouro. É uma maneira de fazer seguro de parte de suas aplicações", concluiu.
Fonte: G1
 
Todos os direitos reservados © 2016 - FMNews.com.br
Contato: (89) 994010353 e (89) 994174202